BLOG DO BERTINHO

Confira as ações da librelato com seus colaboradores

11.08.2018

Vendas de veículos importados avançam 31,5% no acumulado até julho

As vendas de veículos importados das empresas associadas à Abeifa avançaram em julho e contribuíram para o crescimento de 31,5% registrado no volume de emplacamentos acumulado do ano na comparação com mesmo período do ano passado. Dados divulgados na sexta-feira, 3, pela associação que reúne os maiores importadores, apontam que o volume superou as 21 mil unidades emplacadas nos sete meses completos de 2018.

Julho contribuiu com 3,1 mil unidades vendidas, volume 2,9% maior que o apurado em junho e um aumento de 14,3% sobre o resultado obtido em julho do ano passado, quando foram licenciados pouco mais de 2,7 mil veículos.
Entre as associadas que também têm produção nacional, BMW, Chery, Land Rover e Suzuki fecharam julho com pouco mais 1,8 mil veículos fabricados e emplacados no Brasil, ligeiro aumento de 1,1% com relação a junho. Já sobre julho do ano passado, a alta é de 1,3%.
Apesar do bom desempenho em julho, a entidade, que reúne dezesseis marcas, entre importadoras e fabricantes, decidiu manter a projeção para 2018, no qual espera encerrar com vendas de 40 mil unidades. Se conseguir, o setor terá registrado aumento de 34% em comparação aos 29,7 mil licenciados em 2017.
“Embora as vendas de julho tenham sido as melhores deste ano para o mercado total de veículos, para o setor de importados foi apenas o quarto melhor mês, tudo indica ainda a pressão do câmbio. Infelizmente, o setor foi forçado a rever promoções e, em alguns casos, até aumentar seus preços em reais”, afirma o presidente da Abeifa, José Luiz Gandini.
O executivo avalia que depois da greve dos caminhoneiros e da Copa do Mundo, eventos que de alguma forma influenciaram o comportamento das vendas entre maio e junho, a falta de confiança do consumidor ainda persiste. “Mas a pequena reação em julho já sinaliza que teremos um segundo semestre melhor, mesmo com outro fenômeno importante do ano, as eleições”, finaliza Gandini.

Fonte: Automotive Business