Em Busca de um Futuro Melhor

22.02.2012

 

            A Librelato, investindo na qualificação profissional de seus colaboradores e da comunidade, iniciou no mês de janeiro mais um curso de solda gratuito em Orleans, para três turmas. Na parte da manhã a turma é formada pela comunidade, enquanto que nos outros períodos são para os colaboradores. As aulas ocorrem três vezes por semana no Centro de Formação Profissional Lussa Librelato, em Orleans.

            O curso iniciou, para a comunidade, com uma turma formada por 17 pessoas de todas as idades que procuraram a Librelato para fazer o treinamento. As turmas formadas por colaboradores contam com 16 pessoas por período.

Para a comunidade, o curso tem duração de 80 horas e para os colaboradores 60 horas. "Essa diferença é porque os colaboradores já dominam o uso de algumas ferramentas que a comunidade ainda não conhece", afirmou José Carlos Guimarães, coordenador do curso.

 

 

 

            "Com os cursos nossos colaboradores tem a chance de aprimorar seus conhecimentos e quem não é colaborador tem a chance de ter uma profissão e ainda poderá se tornar um colaborador da Librelato", diz Guimarães. Conforme ele, dos 14 alunos que se formaram na última turma da comunidade, oito já são colaboradores.

            Na abertura da aula, a psicóloga Janaina Niero Mazon falou sobre a empresa e alguns benefícios que os colaboradores da Librelato têm.  Ao ouvir a psicóloga, o lauromullense Claudiomar de Olivério, 32 anos, ficou ainda mais motivado para aprender. "Além do curso ser gratuito, que já é uma vantagem, é bom para que eu possa ter uma profissão e, possivelmente, me tornar colaborador da Librelato", diz ele.

            Segundo Guimarães, o curso está tendo uma boa aceitação na comunidade e entre os colaboradores, além de ter o total apoio do diretor-presidente José Carlos Librelato. "Ele não mede esforços para nos ajudar, sempre que precisamos podemos contar com ele", conta o coordenador.

            Para a Librelato, investir em pessoas não é uma obrigação, mas sim dar uma chance para que elas se tornem profissionais qualificados e aptos a enfrentar o mercado de trabalho, que é cada vez mais exigente.