NOTÍCIAS

Confira as últimas notícias Librelato

09.01.2020

ANFAVEA PREVÊ CRESCIMENTO DE 18% NAS VENDAS DE CAMINHÕES EM 2020

Os fabricantes de caminhões projetam mais um ano positivo para o setor ao prever crescimento de 18,4% das vendas em 2020. Na terça-feira, 7, em sua sede de São Paulo, a Anfavea apresentou o balanço de 2019 da indústria e também sua estimativa para o ano e prevê o emplacamento de 120 mil caminhões.

Ao apresentar o balanço, a entidade comemora o crescimento de 33,3% das vendas de caminhões em 2019, que ultrapassou a barreira das 100 mil unidades – a última vez que isso aconteceu foi em 2014, quando o setor registrou 137 mil caminhões novos.

No total, foram emplacados 101,3 mil caminhões no ano passado, dos quais 51% são do segmento pesado – com PBT acima de 15 toneladas. A categoria chegou a crescer na ordem de 70%, recuperando totalmente as perdas da crise mais recente.

De acordo com Luiz Carlos Moraes, presidente da ANFAVEA, assim como no ano passado, os caminhões pesados também vão liderar as vendas do setor em 2020 impulsionado pelo agronegócio. Estes modelos são utilizados, entre outras atividades, no escoamento da safra de grãos, cujas estimativas apontam para um novo recorde do ciclo atual 2019-2020 (que encerra em junho deste ano). Também é esperada uma maior participação dos modelos pesados off-road nas vendas deste ano com base nos investimentos em infraestrutura que podem acontecer em 2020.

Com base apenas na estimativa de vendas para o mercado interno, a produção de caminhões deverá aumentar na faixa de 5% em 2020 com relação ao volume fabricado no ano passado, que foi de 113,4 mil.

Contudo, as exportações do segmento deverão continuar em queda: em 2019, com apenas 13,5 mil caminhões, os embarques caíram 45% - ainda reflexo da crise argentina. Para 2020, a Anfavea acredita que as vendas para outros mercados podem atingir as 16 mil unidades, isto considerando a soma de caminhões e ônibus. Em 2019, esta soma foi de apenas 21 mil veículos, portanto, a previsão da Anfavea para este ano representa uma nova retração de 22,7%.